FREGUESIA DE CARIA - MOIMENTA DA BEIRA  


----------------------------
----------------------------








 

 

Foi com enorme  orgulho que no passado dia 07 de Agosto, foi inaugurada a nova sede da Junta de Freguesia de Caria, com a presença do Sr Presidente da Junta, Sr. Presidente do Municipio, Srs. Vereadores do Municipio e um grande numero de Municipes que também quiseram testemunhar e fazer parte da inauguração da nova sede, o que nos deixa bastante satisfeitos, visto ser esta a partir de agora também a sua casa. 

A sede da Junta de Freguesia de Caria, passa agora a dispor  de melhores condiçoes de trabalho e  principalmente melhores condições de atendimento aos nossos municipes.  

A sede passa a funcionar no edificio da antiga EB1 de Caria, que para o efeito teve obras de restauro que estiveram a cargo da Junta de Freguesia, com a  colaboração do Municipio de Moimenta da Beira.

 

Aqui ficam algumas fotos da inauguração.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Aqui ficam algumas fotos do passeio da Freguesia, por terras de Óbidos, Peniche, Bombarral (buddha eden), Alcobaça e Batalha.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

PRESIDENTE DA JUNTA DE FREGUESIA DE CARIA, FAZ PÚBLICO QUE:

Face aos enormes cortes a que todos estamos a ser sujeitos por parte do Governo Central, entendeu, esta Junta de Freguesia proceder á execução do projeto “ Farmácia Solidária” o qual constituiu um importante marco no apoio aos mais desfavorecidos. Assim, é nossa convicção que contemplando com o projeto “ Farmácia Solidária”, todos os munícipes da Freguesia de Caria, com idade superior a 65 anos, ou pensionistas por invalidez com idade superior a 60 anos, economicamente mais carenciados, iremos estar a contribuir para a melhoria da condição socioeconómica de todos os abrangidos pelo mesmo. Trata-se assim de apostar, de uma forma clara e determinada, numa política local solidária e eficaz.

Para mais informações, os interessados devem dirigir-se á Junta de Freguesia, onde serão devidamente esclarecidos de todas as dúvidas e podem consultar o respetivo regulamento, o mesmo pode também ser consultado através da página da internet, www.freguesiadecaria.com “editais/comunicados”.  

O presidente

Armando Nunes Mota

 

 

 

 

CONVITE

A Junta de Freguesia tem a honra de convidar todos os munícipes, a participar nas comemorações do foral Mauelino que celebra 500 anos, uma data que representa um marco histórico da localiadde de Caria, da sua Freguesia e do Concelho. As comemorações realizar-se-ão, na Igreja Matriz de Caria, pelas 15.00h do dia 23 de Novembro.

Seguir-se-á o tradicional magusto de S. Martinho, na sede da Junta de Freguesia, a partir das 15h30.

Os interessados em participar no magusto, deverão fazer a sua inscrição até ao dia 20 de Novembro, para o efeito estão disponíveis nos locais públicos da freguesia, na sede da Junta, ou por correio eletrónico: freguesiadecaria@gmail.com, a respetiva ficha de inscrição.

Contamos com a presença de todos, para assinalarmos esta data tão importante para todo nós e assim revivermos as nossas tradições e disfrutarmos de uma tarde de convívio e confraternização.

 

 

 

 

 

A Junta de Freguesia, solicita a todos os habitantes que dispõem de fotografias das festas que se realizaram na nossa freguesia, o favor de enviarem algumas delas (para o email da Junta - freguesiadecaria@gmail.com), para que as possamos colocar na nossa página e assim  as podermos mostrar a todos quantos nos visitam via internet, e principalmente os nossos e(i)migrantes, que não puderam estar presentes, possam "matar" um pouco das saudades, relativamente ás tradicionais festas da nossa freguesia.

    

FESTA EM HONRA DE Nª SRª DA GUIA - CARIA

Realizou-se nos dias 09 e 10 de Agosto, cumpriu-se assim mais um ano de tradição, parabéns a todos os que trabalharam direta e indiretamente na realização desta festa, com todo o seu esforço e dedicação ajudam a manter a chama viva desta tão bonita e tradicional festa em Honra de Nª Stª da Guia.

Aqui ficam algumas imagens dos andores que este ano desfilaram em cima de tratores, pelas ruas de Caria, na tradicional procissão.

 

 

 

 

CONVITE

 A Junta de Freguesia, tem a honra de convidar toda a população das várias localidades da Freguesia, a participar no tradicional magusto de S. Martinho, que se realizará no dia 17 de Novembro, na sede da Junta de Freguesia, a partir das 15h30.Os interessados em participar deverão fazer a sua inscrição até ao dia 13 de Novembro, para o efeito estão disponíveis nos locais públicos da freguesia, na sede da Junta, ou por email: freguesiadecaria@gmail.com, a respetiva ficha de inscrição.Contamos com a presença de todos, para mais um reviver das nossas tradições e uma tarde de convívio e confraternização.

 hytgrfta ffhhkjhhAA  A

A Junta de Freguesia, irá realizar um passeio a terras do Minho, no dia 30 de Junho.A

A viagem será gratuita, os interessados deverão fazer a sua inscrição até ao dia 24 de Junho, para o efeito estão disponíveis fichas de inscrição nos locais públicos da freguesia, na sede da Junta de Freguesia ou podem também faze-lo através de email (freguesiadecaria@gmail.com).Aaaaa

 

 

 

 

 

A Junta de Freguesia congraula-se por ter oportunidade de poder proporcionar um dia diferente e cheio de alegria aos meninos do pré-escolar e primeiro ciclo, da nossa freguesia, com uma visita ao palácio do Gelo em Viseu, para celebrarem o dia da criança.

 

Nossas crianças preparadas para assistir a um filme no cinema

 

 

.... Almoço

 

... preparadas para uma tarde de divertimento

 

 

 

Vale a pena "perdermos" uns minutos a ler este texo, onde é explicado o significado do foral de Caria, que irá celebrar 500 anos, para podermos verificar e comprovar,  a importância e a grandiosidade da nossa Freguesia.

 

 

500 anos do Foral de Caria

  

O concelho de Caria teve foral outorgado por D. Manuel I em 15 de Dezembro de 1512. O foral consagra a existência jurídico-administrativa do concelho de Caria. O Livro de Forais Novos da Beira, coloca Caria perto dos forais do souto do Couto de Leomil, Pera velha, São Cosmado (Sancolmado), Goujoim (Gompay), Sernancelhe, Paredes da Beira, Trovões, Penela da Beira, Vermoiz, Acedains, Orta, Tavares, etc.. Caria do bispado de Lamego foi efetivamente terra importante no período medieval. Como consta na memória paroquial de 1758 onde refere este foral.  

O concelho de Caria não foi fundado com este foral. Caria já era concelho no período medievo e, portanto, antes ainda de ter recebido o diploma manuelino. O que a atribuição deste documento oficializa é precisamente a existência desse concelho antigo, introduzindo as novas regras a verificar em termos jurídicos e fiscais.

Não é muito prolixa a redação do pequeno foral de Caria e, por conseguinte, passo a apresentar a sua transcrição integral:

Foral de Caria

 

Mostra-se mais que avemos daver da terra e comcelho de Caria em cada hum anno mil e setecentos e vimte e oyto reaaes pollas quoremta e oyto livras que soyam de pagar os quaees sam repartidos per todollos moradores do dito lugar e sam pagos per todo mes de Mayo.

 

Tabaliaaes

 E à hy tres tabaliaaens paga cada hum trezemtos e sessenta reaaes.

 

 Pena d’arma

 A pena d’arma hé do comcelho ou dos meirinhos se primeiro citarem, a saber: duzemtos reaaes // e arma perdida com estas decrarações etc. como em Maria Alva.

 

Portagem; vento

 E nom se paga no dito comcelho nem pagará portajem nem outro foro nem tributo real salvo o gado do vemto quamdo se acertar de perder se levará segumdo nossa ordenaçam. E porem mandamos que assy se cumpra pera sempre sem outra comtradiçam.

 

Dizima das sentenças

 E a dizima das semtenças nam se levará posto que a tenhamos dada per nossa carta e seja sobrisso avida semtença de nossa rolaçam por quamto sem embargo disso assy foy determinado per nós em rollaçam.

 

É chegado o momento de explicar o teor deste foral que em muitos quesitos se regia pelo foral de Marialva. Segundo as normas deste documento os impostos que o concelho deveria pagar, através de uma contribuição repartida por todos os moradores, cifravam-se em 1728 reais, os quais deveriam ser anualmente liquidados, no mês de Maio. Os tabeliães, agentes do funcionalismo burocrático municipal, pagavam um tributo de 360 reais por exercerem aí o seu ofício. A pena estipulada para os criminosos que delinquissem com arma situava-se nos 200 reais, prescrevendo-se ainda o confisco da mesma. Todos os indivíduos de fora do concelho que nele passassem não estavam obrigados a pagar impostos de portagem e o gado que se perdia, ou simplesmente era encontrado em propriedade alheia, chamado gado do vento, tanto apurando-se quem era o seu proprietário como não, seria retido e avaliado para venda em hasta pública de acordo com as Ordenações do Reino. Mais nenhum foro se cobrava em Caria, nem mesmo a dízima das sentenças.

            Outro documento do mesmo período e que, portanto, importa cruzar com este, é a Tavoada do Cadastro da População do Reino, redigido em 1527. Dele constam informações capitais para o estudo deste concelho no século XVI. Desde logo que Caria era um couto do mosteiro de Salzedas. Nos inícios do século XVIII o padre Carvalho da Costa diria na sua corografia que este concelho já era da Coroa. Na aludida década de vinte do século XVI o concelho tinha no total 656 moradores repartidos pelas povoações de Lamosa, Arcuzelos, Toutão, Granja doleyro, Vide, Rua, Quymtela, Faya, Cevões, Villa Cova, Aldea de Dona Comba, Villa Chaam, Gramja de Paiva, Forca, Tavora, Myleu, Carregal, Prados, Pemso, lugar de Barros e Quymtam do Rybeiro. Era, como se percebe, um concelho grande para a época, como haveria de rematar o citado cadastro: “Este concelho tem de termo hua legoa pera cada banda em modo que tem duas legoas em comprydo e duas em larguo, parte e confronta com o de cernamcelhe e com a de villa daguyar e com o comcelho de Ferreira e com o comcelho de Soutosa e Pereira e com o comcelho de Liomil e com a villa de Muymenta”.

 É muito rico este último trecho documental, definindo os limites concelhios de Caria que se definhavam nos do concelho de Aguiar da Beira, Ferreira de Aves, Leomil, Pera e Peva, Fonte Arcada e Sernancelhe. Através dele fica-se a saber que Peravelha se designava, nesse tempo, Pereira, e que era uma das cabeças de um concelho, conjuntamente com Soutosa. Colhe-se também a informação de que Moimenta era já vila mas não era concelho, o que está conforme ao teor de outros documentos que a colocam na administração do Couto de Leomil.

No século XVIII já tudo teria mudado. Assevera Duarte Nunes de Leão, em 1610 que Caria fazia parte da correição de Lamego e em 1708 o padre Carvalho da Costa indicava já que a Rua era a cabeça do concelho de Caria, tinha 100 vizinhos e uma igreja da invocação de S. Paio “reytoria do Padroado Real, que rende quatro mil cruzados, cujos dízimos por Breve Apostolico se reunirão ao Collegio de Coimbra dos Padres da Companhia de Jesus.” Dizia o mesmo sacerdote, corógrafo, que o concelho tinha nessa altura 2000 vizinhos que se dividiam pelas freguesias de Segões, Quintela da Lapa, Penso, Faia, Prado e Arcozelos “todos curados anexos à Reytoria da Villa da Rua e S. Pedro de Nacomba, vigayraria de colação ordinária, com huma aldeã de S. Estevão, que antigamente se chamava Forca.” E prosseguia o autor da Corografia Portuguesa: “Tem mais um convento de Frades Terceiros de S. Francisco, que se fundou pelos anos de 1443, em que residem 35 religiosos e no lugar de Tabosa hum mosteiro de Freiras Bernardas Recoletas, que fundou nas suas proprias casas D. Maria Pereira, viuva de Paulo Homem de Telles, que foy Governador das armas da Beira com o posto de tenente general da cavalaria e lhe deixou oito mil cruzados de renda”.

 Para o século XVIII a melhor fonte descriptiva de Caria é indubitavelmente a memória paroquial de 1758, escrita pelo reitor Manuel dos Santos Veloso. Nela fornece algumas das informações já aqui cotejadas e muitas outras dignas de menção. Desde logo menciona o foral manuelino e os vestígios do primitivo castelo. Depois menciona o orago de N. Senhora da Corredoura, título que lhe terá sido atribuído por se fundar a igreja num local desde tempos remotos designado a Corredoura. Consta que a imagem é muito antiga e ali terá sido escondida pelos cristãos no tempo das invasões árabes. Além do templo grande, de três naves, Caria tinha neste tempo três ermidas (S. Pedro, S. Matias e S. João) e duas albergarias para passageiros pobres que aí se instalavam com direito a cama, vinho e um cântaro de água. Dividia a administração do concelho com a Rua, para onde se tinha mudado o pelourinho e se edificara uma casa da Câmara com cadeia. Eram dois os juízes ordinários que aí laboravam, um da Rua e outro de Caria, e ainda três vereadores, um procurador, um escrivão da Câmara, quatro tabeliães e um juiz dos órfãos com seu tabelião.

Caria é efetivamente uma terra que justifica estudos históricos aprofundados pela riqueza do seu passado onde se encontram muitos véus à espera de serem levantados. O foral manuelino que faz no próximo mês de Dezembro 500 anos deverá ser rememorado, celebrado, comemorado, pois é um documento capital para a              re-presentificação da história, memória e identidade desta localidade e, por extensão, de todo o atual concelho de Moimenta da Beira.

Publicado por Jaime Gouveia em ; avataresdamemoria.blogspot.pt   

 

Magnifico Concerto de Natal, realizado na Igreja Paroquial de Caria

 

 

 

 

  

Homenagem ao " Emigrante"

 

 

 

Majestosa Procissão em Honra da Srª da Guia - 2011

 

 

 

 

 

FREGUESIA DE CARIA NAS MARCHAS DE S.JOÃO

 

 

 

 

Freguesia de Caria participa na Majestosa Procissão da Festa em

Honra de S. João - Moimenta da Beira 2011

 

 

 

 

 

 

 

 



Home :: Contactos :: Acesso de Editores :: Direitos Reservados