FREGUESIA DE CARVIÇAIS - TORRE DE MONCORVO  


----------------------------
----------------------------








PATRIMÓNIO ARQUITECTÓNICO

Igreja Matriz de Carviçais

Fica situada no centro da povoação. A data da sua construção é do ano de 1657, sendo ampliada mais tarde, tendo essas obras acabado em 1702.
É um templo de estilo barroco, todo em granito. Terá servido em tempos, também de cemitério. No interior, possui 5 altares, todos eles com uma belíssima talha dourada.

 

 

Capelas:

- Capela de Santo Cristo, provavelmente do ano de 1743, é de estilo barroco joanino. No seu interior, possui três altares com as imagens de N.º Senhor Crucificado, N. Senhor da Cana Verde e N.º Senhor dos Passos.
Esta capela terá nascido para substituir a capela de S. Bartolomeu, demolida em 1740.

- Capela de St.ª Bárbara, fica posicionada bem no alto da aldeia, de onde se pode admirar uma bela paisagem. A sua construção remontará a 1731 e é de estilo barroco jesuíta.
- Capela do Divino Espírito Santo;
- Capela de S. Pedro

 


Cruzeiro

Encontra-se no Largo do Eiró. É uma construção de estilo barroco jesuítico, do ano de 1760.


Calvário

 


Fontes /Chafarizes:

- Chafariz da Praça, de uma bonita arquitectura civil;
- Fonte de Mondego;
- Fonte do Gil, assim chamada, devido ao nome do seu proprietário. Fica a cerca de 200 metros da povoação e é uma obra com valor, de estilo barroco jesuíta. Possui 3 lavadouros, 1 tanque e 1 chafariz que data de 1735.
- Fonte Velha de estilo românico, foi a primeira fonte que abasteceu de água a aldeia. Existia na embocadura da Carreira da Fonte com o Largo da Fonte do Prado. Construção do século XVI. Por se ter tornado local de “lixeira”, a Junta de Freguesia demoliu-a em 1938.

Forno Público

Ponte de Mondego

Estação de Carviçais


Casas Senhoriais:

- Casa do Abade Tavares.


Lagar Velho

 



PATRIMÓNIO ARQUEOLÓGICO


Necrópole de S. Cristóvão

Possui uma grande área e um importante espólio cerâmico de época romana. O que se pode ver à superfície são dois muros de alvenaria de xisto, porventura restos da capela e várias sepulturas antropomórficas.
Aqui foi encontrada uma ara dedicada a Júpiter e uma cabeça de Berrão, ambas em granito.


Sepulturas de S. Cristóvão

Ruínas do Moinho do Zé Maria – Cigadonha

Castro da Cigadonha

Consiste num povoado fortificado amuralhado em forma circular. Aqui se podem ver fragmentos que remontam à Idade do Ferro.


Lenda do Castro da Cigadonha

Em volta deste castro, correm várias superstições, as quais conduzem à crença da existência de grandes riquezas soterradas:

“Em tal sítio estão duas talhas: uma de veneno e outra cheia de oiro. Feliz daquele que, ao cavar, topasse esta última; ficaria o homem mais rico do mundo. Grande desgraça resultará, porém, se for posta a descoberto a talha do veneno. Espalharse-à tão grande peste que muita gente morrerá.
Esta crença bem podia chamar-se conservadora, porque afasta um pouco daqueles sítios os cobiçosos que, se o temor os não peasse, com o tempo revolveriam tudo. Assim mesmo, de onde a onde há pedaços de muralha derruída por via das brochas que nela fazem com o intuito de toparem um vitelo de oiro que ali supõem existir. Um gato insculpido, que ninguém até à data conseguiu descobrir, indica o sítio certo onde se encontra o vitelo.
Não faltam por lá moiras, atarefadas na manhã de S. João, a estenderem roupa sobre os penedos e a assoalharem moedas de oiro.”

A fé cega em grandes riquezas ocultas, tem raízes fundas no espírito do povo.

«Na encosta fronteira ao “Castelo dos Mouros”, já lá vão bons 50 anos, M.B. de Carviçais, encontrou, ao cavar, uma talha de barro, que libertou com cuidado da terra ambiente. Ao ver na sua frente a talha intacta que supunha atulhada de peças de oiro, volta-se para os filhos que o acompanhavam na dura e ingrata faina do revolver a terra:
- Oh! Filhos, não «caveis» mais que estamos ricos!
E num repelão, atirou com a enxada para o ribeiro.
Esvaziada com cuidado a talha, foi grande a desilusão ao verificarem que só terra ela continha. Furioso com o desengano, o homem escacou-a em mil bocados.»
 


PATRIMÓNIO NATURAL

 


Chelindrão da Presa
 


Malgas da Presa


Fraga da Sineta

Escorrega




Capela de Santo Cristo



Fonte do Gil



Fonte Mondego



Ponte Mondego



Lagar Velho



Fraga da Sineta


Home :: Contactos :: Acesso de Editores :: Direitos Reservados